Agenda

O coordenador da Câmara Técnico-Científica (CTC), do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), Luiz Carlos da Silva, foi convidado pela Comissão do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Geologia da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), para participar, como “professor convidado”, juntamente com o professor Ivo Dussin, do curso de Pós Graduação na disciplina: Tratamento de Dados Analíticos U/Pb na Geocronologia.

Coordenador da CTC/CPRM ministra aula no Curso de Pós Graduação da UERJ

O curso possui duração de 40 horas e ocorreu no período de 9 a 13 de novembro no campus da universidade. Luiz Carlos ministrou sua aula na sexta-feira, 13, abordando a temática: “Geocronologia aplicada à reconstituição dos ambientes orogênicos em terrenos pré-cambrianos brasileiros, com ênfase na aplicação da técnica SHRIMP”.

Durante a sua participação, o geólogo Luiz Carlos recebeu uma solicitação do coordenador do Programa de Pós-graduação da Faculdade de Geologia da UERJ, professor Miguel Tupinambá, e da sub-reitora de Pós-Graduação e Pesquisa da UERJ, professora Monica Heilbron, para transmitir à diretoria da CPRM o interesse da UERJ em discutir a implementação de programas de cooperação em nível de pós-graduação e capacitação corporativa, em áreas e temas prioritários da CPRM.

  • Aprovação do projeto do professor Ebgerto Pereira como Cientista do nosso Estado no Edital FAPERJ Nº 05/2015 – Cientista do Nosso Estado (CNE) – 2015.
  • Curso CPRM para alunos do Programa
  • O PPGABFM agradece a oportunidade oferecida aos seus pós graduandos pelo Serviço Geológico do Brasil – CPRM no curso “O Depósito Foi Encontrado. Agora o Que Deve Ser Feito?”, ministrado pelos profissionais da Cia Vale do Rio Doce Elisabeth Fonseca, Alyson Rajão e Evandro Silva, de 20 a 22 de maio de 2015, na Casa Brasil no Escritório Rio de Janeiro da CPRM. Os pós graduandos Loren Pinto Martins, Beatriz Pereira Debowski e Richard Dominique Lepine assistiram ao curso.
  • Revista da Sociedade Brasileira de Geologia teve sua classificação elevada no sistema QUALIS/CAPES

A revista Brazilian Journal of Geology, anteriormente “Revista Brasileira de Geociências“, foi elevada para B1 no sistema de avaliação da CAPES, o QUALIS. Até agora, a única revista nacional da área de Geociências com esta classificação (B1) eram os Anais da Academia Brasileira de Ciencias. As “revistas brasileiras” de geofisica, geomorfologia e cartografia, e mesmo o Brazilian Journal of Geology, eram tidas como B2.